quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

A Invenção de Hugo (2011)

Um filme passado em Paris nos anos de 1930 que nos revela o início da história do Cinema e da história de um dos seus principais precursores, Georges Méliès.

Hugo, um órfão que vive escondido dentro das paredes de uma estação de comboios, vive com o objectivo de reparar um autómato avariado, projecto que tinha iniciado com o seu falecido pai. Quando finalmente parece ter conseguido apercebe-se que será necessária uma chave com a forma de um coração para terminar a tarefa.

Hugo torna-se amigo de Isabelle, e juntos embarcam numa aventura que irá revelar muito mais que o mistério do autómato.

Este filme é um tributo à vasta obra de  Georges Méliès que se pensava totalmente perdida mas conseguiu ser, em parte, recuperada. Destaca-se o filme de 1902, Le voyage dans la Lune, um verdadeiro sucesso na sua época.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Warrior - Combate Entre Irmãos (2011)

Um filme pouco divulgado mas com todos os atributos de um Grande Filme
Dois irmãos enfrentam-se para travar o combate das suas vidas. Um ex-marine, perseguido pelo seu passado trágico, Tommy Riordan, regressa à sua terra natal e pede ao seu pai, um alcoólico em recuperação, para o treinar para o Grande Torneio de Artes Marciais Combinadas. Brendan, um antigo lutador deste estilo de luta, e actual professor de física, é forçado, por motivos financeiros, a voltar ao ringue. O passado de mágoa e recriminação coloca os dois irmão numa rota de colisão obrigando-os a confrontar as forças que os separaram no passado.

Um grande filme, a não perder!!!

Millennium 1 - Os Homens que Odeiam as Mulheres (2011)

Adaptação ao cinema por David Fincher de um romance Sueco escrito por Stieg Larsson em três volumes.

Millennium é o nome de uma revista que é condenada por difamar um mediático empresário ao publicar um artigo do jornalista Mikael Blomkvist (Daniel Craig). Mikael não confirmou as fontes e não tinha provas suficientes que sustentassem o seu artigo e era agora olhado de canto pelos seus pares.
Enquanto tenta superar esta mancha na sua reputação de jornalista é contratado por um outro milionário, Henrik Vanger (Christopher Plummer) para descobrir o que se passou com a sua sobrinha desaparecida sem rasto há mais de quarenta anos. Para executar esse trabalho ele pede a ajuda da investigadora que o tinha investigado a ele,  Lisbeth Salander (Rooney Mara), que é uma personagem, no mínimo, muito fora do normal.

Lisbeth é uma hacker de 23 anos que tem o seu próprio passado e a sua forma muito própria de resolver os problemas. Apesar da sua personalidade anti social ela é capaz de sentir grande compaixão e lealdade se a causa o merecer.


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Justiça (2011)


Justiça, ou na sua forma original Seeking Justice (2011) é um excelente filme realizado por Roger Donaldson e interpretado por Nicolas Cage, Guy Pearce e January Jones.

No desespero com o sofrimento da sua mulher Laura (January Jones), Will Gerard (Nicolas Cage) é abordado por alguém que pertence a um grupo de vigilantes e oferecem-se para ajudá-lo a eliminar a pessoa que atacou e violou brutalmente a sua mulher. Em troca dizem que mais tarde lhe irão solicitar colaboração noutros serviços.



quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Anónimo (2011)


O filme Anónimo (Anonymous), de Roland Emmerich , transporta-nos ao tempo de Isabel I e Shakespeare e conta-nos uma história bem diferente da versão oficial.

William Shakespeare escreveu 37 peças, 154 sonetos, 2 longos poemas narrativos e diversos outros poemas e é considerado a derradeira expressão da humanidade em língua inglesa. Em 400 anos nenhum manuscrito escrito pela mão do próprio Shakespeare foi encontrado. Foi retirado da escola com apenas 15 anos de idade, filho de pais iletrados, casado com uma mulher iletrada, e seus filhos também não tiveram uma educação prodigiosa. Deixou testamento escrito mas não continha qualquer referência a livros ou manuscritos.

As revelações sobre a vida do grande dramaturgo misturam-se com a disputa pela sucessão de Isabel I, já com idade avançada e sem filhos legítimos para a suceder.

Edward de Vere, Conde de Oxford, é apontado como o verdadeiro autor de todo o trabalho atribuído a Will Shakespere.